Campo Erê / Falecimentos - 22 de Fevereiro de 2021 - 21h19

​Empresário campoenrense morre de Covid-19

Foto: Divulgação

Faleceu na madrugada desde domingo 21, vitimado pelo covid-19 o empresário campoerense Santino Gomes.

O filho de Santinho jornalista, Sandro Gomes, revelou em redes sociais os passos de seu pai, que foi um dos pioneiros das industrias de alumínio em Francisco Beltrão.


Santino Gomes morava em Campo Erê SC desde 2000, mas teve atuação muito importante no setor que hoje é referência em Francisco Beltrão.


Foi ele que produziu o primeiro balde de alumínio em Francisco Beltrão, em 16 de dezembro de 1985, na Belmar.

Hoje o setor de alumínios tem mais de 100 empresas e gera mais de 2.200 empregos diretos no Sudoeste do Paraná.


Emocionado, Sandro, escreveu um histórico do pai e noticiou o falecimento em sua página no Facebook: “Dono de uma saúde de ferro, seu Santino Gomes, a quem tenho a honra de chamar de pai, acreditava que pudesse encarar ou transpor qualquer obstáculo que a vida lhe apresentasse.


Em sua simplicidade, dizia que uma cachacinha com mel ao dia seria o suficiente para livrá-lo do maior algoz que já encontrou.


Mas às 21 horas deste sábado ele reconheceu sua impotência ante ao vírus.

Numa frase simples, disse que sempre foi um homem forte, mas que agora havia encontrado algo ainda mais forte que ele. Minutos após foi levado às pressas à UTI do Hospital São Bráz, em União da Vitória, onde o maior guerreiro que já conheci lutou seu último combate. Às 3h25 da madrugada deste domingo, 21 de fevereiro de 2021, fechou os sofridos olhos pela última vez.


Pioneiro da indústria do alumínio do Sudoeste do Paraná, nos anos 80 seu Santino montou a Samar Indústria de Artefatos de Alumínio, em sociedade com alguns amigos, entre eles Belmiro Ecker, Alcides Rinaldi e Chico Martini.

Era a primeira fábrica de alumínio de Francisco Beltrão, que hoje é um pólo nacional do segmento, com centenas de indústrias e milhares de empregos gerados a partir da sementinha por ele plantada.


Natural de Cruz Machado, no Paraná, seu Santino nasceu no dia 3 de março de 1938. Aos treze anos morava sozinho no meio do mato, derrubando pinheiros para sobreviver. Aos 15 conseguiu seu primeiro emprego, no Miguel Forte Madeireira.

Seu orgulho era receber salário de maior, mesmo sendo menor de idade. Mudou com minha mãe, dona Zenilda, em saudosa memória e minhas irmãs Mariluci, também in memorian e Maristela, em 1968. Seis anos mais tarde nasci.


Seu Gomes tinha a certeza que chegaria aos 100 anos com tranquilidade. E chegaria, não fosse um microrganismo chamado corona. Nunca o vi adoecer. Mesmo no leito do hospital, dizia não sentir dor alguma. Apenas a falta de ar, cada vez mais gritante e apavorante. Tive a graça de cuidar dele em seus últimos quatro dias de vida, isolado no quarto 21 do hospital. Um período em que rememoramos muitas passagens de nossas vidas, especialmente de nossa família. Acreditava piamente que seu Santino iria superar mais este desafio. E ele também. Infelizmente, não o veremos mais sorrindo. Não o veremos mais dançando como se fosse um menino. Não ouviremos mais seus conselhos, suas anedotas, tampouco suas lindas e empolgantes histórias.


Descanse em paz meu pai. Ficamos aqui com seu legado de luta, de alegria, como nesta foto, no casamento de sua neta Mariana, em novembro de 2019. Lamentamos não ter a chance de realizar uma cerimônia de despedida. Mas Deus sabe o que faz e nele acreditamos. Na esperança que este mal se dissipe o mais breve possível, clamamos a Deus para que o receba em seus braços. Vai com Deus seu Gomes!”


Por Adolfo Pegoraro

Fonte: CampoErê.Com

Compartilhar:

Veja também

Todos os direitos reservados. Campo Erê.com. 2021